12 de novembro de 2016

Resistência contra PEC 55 mobilizou 15 estados e DF

edit_protesto dutra guarulhos_11_11_16_Marcos Bezerra_Futura Press.jpgDesde a manhã e até a noite de ontem (11), mobilizações contra a Proposta de Emenda à Constituição 55 (que tramitou na Câmara como PEC 241) ocorreram em ao menos 15 estados e também no Distrito Federal, organizadas por movimentos populares e com a adesão de diversas categorias profissionais. Foram registrados protestos no Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Pará, Pernambuco, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal.

Em São Paulo, as rodovias Anchieta, Anhanguera, Dutra, Régis Bittencourt e dos Bandeirantes foram bloqueadas no início da manhã. Também foram interditadas a Ponte João Dias, na zona sul da capital paulista, e a Estrada de Itapecerica.

Em Guarulhos, na Grande São Paulo, as empresas de ônibus paralisaram suas operações, assim como os motoristas de ônibus da região de Sorocaba.

Os motoristas também aderiram à paralisação em Salvador, na Bahia. Os bancários baianos também fizeram parte da mobilização, assim com professores municipais e estaduais. Manifestantes também fecharam o acesso ao polo de Camaçari, na região metropolitana de Salvador. No Rio Grande do Sul, professores das redes pública e privada também pretendiam integrar as mobilizações.

Em Minas Gerais, entidades estudantis, sindicatos e servidores realizaram ato em Belo Horizonte, se concentrando na Praça Sete. No Pará, o ato teve a participação de alunos e professores das redes públicas e de universidades, sindicato de bancários, associações quilombolas, MST, grupos negros, LGBT e feministas. A manifestação foi até o Tribunal de Justiça do estado.

A PEC 55 estabelece um teto no orçamento da União para os gastos públicos, atrelado ao aumento da inflação do ano anterior, durante vinte anos.

"Estamos organizando essa greve geral em razão do retrocesso que está sendo imposto pelo governo federal, representado pela PEC 55, que congela os investimentos em educação, saúde e áreas sociais. Essa e várias outras questões que estão sendo conduzidas pelo governo que são um retrocesso para a classe trabalhadora", afirmou Rodrigo Rodrigues, secretário-geral da CUT do Distrito Federal.

No centro do Rio, milhares de manifestantes marcharam contra as proposta do governo Temer. A passeata saiu da Igreja da Candelária, seguiu pela Avenida Rio Branco e tomou o rumo da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). Ao fim do ato, o disparo de um rojão provocou uma reação violenta da PM, que tentou perseguir os manifestantes e lançou bombas de gás lacrimogênio e de efeito moral. A resposta foi mais rojões e pedras contra os policiais.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...