19 de dezembro de 2015

Teste de sangue é aposta para diagnóstico precoce de câncer de ovário

Um teste de sangue periódico, interpretado com a ajuda de um algoritmo especial e conjugado com outros exames pode se tornar uma poderosa ferramenta no diagnóstico precoce do câncer no ovário, que mata mais de três mil brasileiras e registra cerca de seis mil novos casos no país anualmente. Doença silenciosa, com sintomas como dores abdominais, sensação de barriga inchada e dificuldades na alimentação comuns a várias outras condições, o câncer de ovário em geral só é detectado em estágio avançado, levando à morte cerca de 60% de suas vítimas num prazo de até cinco anos a partir do diagnóstico. Diante disso, um grupo de pesquisadores britânicos decidiu investigar se o teste já existente, que mede os níveis no sangue de uma proteína chamada CA 125, de fato pode ser usado como método de rastreio para reduzir esta mortalidade.

Numa das maiores e mais longas investigações do tipo já realizadas, os cientistas liderados por Ian Jacobs e Usha Menon, do Instituto para Saúde da Mulher do University College London, convocaram mais de 200 mil britânicas de 50 a 74 anos para participar do estudo, chamado Ensaio Colaborativo para Rastreio do Câncer de Ovário do Reino Unido (UKCTOCS, na sigla em inglês). Destas, cerca de 50 mil fizeram os testes periódicos para a CA 125 e, eventualmente, exames de ultrassom transvaginal dos ovários. Outras 50 mil mulheres se submeteram apenas a exames anuais de ultrassom, também apontado como capaz de diagnosticar a doença com alguma precocidade, e as aproximadamente 100 mil voluntárias restantes não passaram por nenhum tipo de rastreio ao longo de dez anos, entre 2001 e 2011.

Mas, como vários estudos anteriores realizados já tinham apontado que apenas a medição dos níveis da CA 125 não era suficiente para reduzir a mortalidade pelo câncer de ovário, além de produzir muitos casos de “falsos positivos”, os pesquisadores criaram um novo método para avaliar os resultados do teste. Batizado Algoritmo de Risco de Câncer de Ovário (Roca, também na sigla em inglês), sua fórmula leva em conta as variações individuais nestes níveis na mulher, além de outros fatores de risco inerentes a cada uma, para disparar o alarme. Assim, segundo os pesquisadores, foi possível diminuir a ocorrência dos falsos positivos e, ao mesmo tempo, ainda detectar a doença a tempo de tratá-la, levando a uma redução na mortalidade de até 28% entre sete e 14 anos após o início do rastreio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...